População de Almas realiza manifesto nas ruas contra possível fechamento de comarca

Views: 72

 A população de Almas, na companhia do prefeito, Wagner Nepomoceno, realizou manifesto popular nas ruas da cidade contra o possível fechamento da comarca de justiça presente no Município. O ato se deu pois, segundo o gestor municipal, a grande maioria da população é carente de recursos financeiros e precisará se deslocar até Natividade para acompanhar audiências e os trabalhos da justiça.
“Tem ocorrido essa conversa, principalmente entre advogados da cidade, de que o Tribunal de Justiça estaria cogitando a possibilidade de fechar comarcas de primeira entrância pelo Estado, seriam oito comarcas na mira de serem extintas. Temos preocupação, pois a comarca de Almas responde por muitos processos, não somente do Município, mas também de Porto Alegre do Tocantins”, disse o prefeito.

A população se reuniu na Praça São Miguel e, posteriormente, circulou pelas principais ruas da cidade, ao protestar sobre o eventual fechamento da comarca no Município. Com carros de som e faixas, os munícipes pediram a sensibilidade do Poder Judiciário tocantinense para que os serviços de cidadania e justiça não sejam retirados de Almas.

Segundo Waguinho atualmente cerca de 700 processos tramitam na Comarca de Almas, “pois a população corriqueiramente busca o judiciário para resolver seus litígios”, comenta. Com o eventual fechamento da comarca, os jurisdicionais do Município precisarão deslocar-se 76 km até Natividade, “além de possivelmente verem outros órgãos saírem da cidade, como delegacia de polícia, Defensoria Pública e Ministério Público”, projeta o prefeito.

O prefeito de Almas revela que o Município tem grande interesse da presença da Justiça no Município, “tanto que em 2017, a Prefeitura de Almas doou terreno ao Poder Judiciário do Tocantins para que venha a construir sede própria do fórum na cidade”, disse. “O que pedimos é a sensibilidade do presidente e desembargadores do Tribunal de Justiça para que esse provável fechamento das comarcas não ocorra, para que a Justiça possa estar presente de forma plena nas comunidades que mais precisam dela” finaliza Waguinho.

Source:ATM
Comments: 0

Your email address will not be published. Required fields are marked with *

0

Your Cart